Fechar [X]

Você possui livro(s) em sua Sacola referente a sua última visita!

Inflacao e Crises - 1ª EDIÇÃO

O Papel da Moeda

  • ISBN-10: 85-352-8248-3
  • ISBN-13: 978-85-352-8248-1

Condições de Pagamento Sem Juros

1 parcela de R$85,90 No cartão de crédito
2 parcela de R$42,95 No cartão de crédito
3 parcela de R$28,63 No cartão de crédito
4 parcela de R$21,48 No cartão de crédito
5 parcela de R$17,18 No cartão de crédito
6 parcela de R$14,32 No cartão de crédito

Importante: Condições válidas para os cartões American Express, Diners, MasterCard e Visa.


Ao adquirir mais de R$ 199,00 em produtos, você ganha frete grátis para qualquer parte do país.
Quem comprou este livro também se interessou por:

Informações do Produto

Resumo

Este livro analisa os principais episódios desafiadores vividos pela economia brasileira, ligados à inflação e enfrentamento de crises, desde a reforma do PAEG até a reação à crise de 2008. Antes da reforma monetária de 1994 a inflação no Brasil era uma história sobre a inércia; o descontrole monetário; e a dominância fiscal. As reformas do PAEG pareciam ter rompido com o descontrole inflacionário, mas foi cometido o erro de buscar a convivência com a inflação, usando a indexação para neutralizar seus custos. O governo sucumbiu à crença de que o combate à inflação se fazia com políticas de rendas - os controles de preços - e não com o controle monetário. Naqueles anos a dívida pública não crescia aceleradamente, dando a ilusão de que a inflação não tinha causas fiscais, mas ela somente não crescia porque a expansão monetária financiava automaticamente os déficits públicos. Tivemos que passar por vários experimentos heterodoxos, até que a reforma monetária de 1994 levasse ao controle da inflação. O Brasil enfrentou várias crises. A reação à crise de balanço de pagamentos dos anos oitenta acentuou a indexação cambial e a inércia. Depois da reforma monetária de 1994 o Brasil superou o contágio das crises do México e do Sudeste Asiático, mas a âncora cambial não resistiu ao contágio da crise russa, sendo abandonada em 1999. Em seu lugar surgiu o regime caracterizado pelo "tripé": com as metas de inflação; metas de superávits primários; e câmbio flutuante. Foi neste regime que o Brasil superou a maior de todas as crises do pós-guerra, a de 2008. Mas a partir desse ponto voltou a acumular erros. Ocorreu o afrouxamento do compromisso com a meta de inflação; piorou a qualidade da política fiscal; e o governo foi contaminado pelo vírus do "medo da flutuação". Com isso reapareceram desequilíbrios importantes que levaram ao baixo crescimento, com forte penalização da indústria; a inflações elevadas mesmo com preços reprimidos; e a um déficit em contas correntes a espera de redução.

Sumário

Principais Características

Informações Técnicas

VOLTAR